Autonomia, Compromisso, Responsabilidade

Autonomia, Compromisso, Responsabilidade

Autonomia, Compromisso, Responsabilidade

Autonomia, Compromisso, Responsabilidade

Autonomia, Compromisso, Responsabilidade

Autonomia, Compromisso, Responsabilidade

 

Notícias

2016-09-11 08:56:00

UM CURRÍCULO PARA A INCLUSÃO

Uma entrevista com o secretário de estado da Educação, no contexto da abertura do ano letivo, que nos pede reflexão sobre a escola pública de que necessitamos, na sociedade do século XXI.

http://www.dn.pt/portugal/interior/joao-costa-construir-um-curriculo-que-potencia-a-inclusao-5379705.html

Para a Rede Educação Século XXI, inclusão significa entender que cada ser humano é um caso único e irrepetível.

Expressar a inclusão no domínio organizacional da escola pública portuguesa implica ter consciência de que esta organização educativa tem de se transformar profundamente. Para que tal possa ocorrer, é fundamental perceber-se que as respostas padronizadas e decididas “superiormente” (ao nível central ou da própria escola) necessitam de uma legitimidade reforçada, expressa através de relações horizontais (construídas por processos sistemáticos de reflexão produtiva), baseadas no compromisso e na responsabilidade.

Expressar a inclusão nos domínios educativo e pedagógico, implica assumir que a ação dos educadores (nos vários níveis educativos) tem de dar resposta aos centros de interesse, sonhos ou necessidades de cada aluno, promovendo-se uma aprendizagem autorregulada e significativa (adaptada às várias realidades), promotora do empenhamento, compromisso e responsabilidade e construtora de saberes permanentemente integrados em cada ser humano.

Por isso, implica também assumir que a existência de currículos prescritivos e repletos de saberes inertes tem de ser descartada, dando-se à escola a possibilidade de responder às grandes linhas orientadoras do currículo nacional (organizadas em áreas do conhecimento e não nas tradicionais disciplinas). Referimo-nos aos saberes estruturais, aos interligadores do conhecimento e às competências fundamentais (transversais) a serem desenvolvidas em cada área do conhecimento. 

Então sim, teremos uma escola para a inclusão!